segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Um prato cheio para os lokos por biografias like me!!! hummmmmmm

Figura-chave para entender a cena musical brasileira nos anos 80, Lobão deixou a sua marca de diferentes formas – em letras inspiradas, boas músicas e, não menos importante, com atitudes firmes e corajosas. Admiro-o bastante, mesmo não concordando com muitas de suas posições.

Ainda não li, o que pretendo fazer em breve, a aguardada biografia que ele acaba de publicar, escrita em parceria com o jornalista Claudio Tognolli. A despeito dos prêmios que venha a conquistar, “50 Anos a Mil” (Nova Fronteira) já se credencia a faturar o título de maior biografia de roqueiro publicada no Brasil e uma das maiores no mundo. O livro tem 752 páginas!!

Minhas encomendas estão à caminho, oba!


Imagens curiosas da tomada do Complexo do Alemão! Adorei o símbolo fashion cannabis-adidas! kkkkkkk

This Brazilian Drug Lord Is a Huge Justin Bieber Fan





Uma ótima semana para todos!

Photos premiadas em 2010.





Esse modelito de sunga dos nadadores de Singapura é bastaaaante criativo, pois sim? Atórum!!


Botaoteca - Instant Button Gosto de Sacanagem

domingo, 28 de novembro de 2010

Imagem do dia!




Cansou-se das redes sociais pequeno burguesas? Entre na Foicebook!

Campanha contra o scanner nos aeroportos americanos.





sábado, 27 de novembro de 2010

Uma materia prá relaxar, porque eu espero que até o dia 05 a cidade já tenha voltado ao normal para eu relaxar NO SHOW ao vivo e ainda por cima escutando a blá, blá, blá do Caetano sobre a guerra, porque é obvio que vai rolar, néam?

A análise mais lúcida da situação do Rio: "A crise no Rio e o pastiche midiático". Luis Eduardo Soares.

"O que as polícias fluminenses deveriam fazer para vencer, definitivamente, o tráfico de drogas?


Em primeiro lugar, deveriam parar de traficar e de associar-se aos traficantes, nos “arregos” celebrados por suas bandas podres, à luz do dia, diante de todos. Deveriam parar de negociar armas com traficantes, o que as bandas podres fazem, sistematicamente. Deveriam também parar de reproduzir o pior do tráfico, dominando, sob a forma de máfias ou milícias, territórios e populações pela força das armas, visando rendimentos criminosos obtidos por meios cruéis.

Ou seja, a polaridade referida na pergunta (polícias versus tráfico) esconde o verdadeiro problema: não existe a polaridade. Construí-la –isto é, separar bandido e polícia; distinguir crime e polícia-- teria de ser a meta mais importante e urgente de qualquer política de segurança digna desse nome. Não há nenhuma modalidade importante de ação criminal no Rio de que segmentos policiais corruptos estejam ausentes. E só por isso que ainda existe tráfico armado, assim como as milícias.
Não digo isso para ofender os policiais ou as instituições. Não generalizo. Pelo contrário, sei que há dezenas de milhares de policiais honrados e honestos, que arriscam, estóica e heroicamente, suas vidas por salários indignos. Considero-os as primeiras vítimas da degradação institucional em curso, porque os envergonha, os humilha, os ameaça e acua o convívio inevitável com milhares de colegas corrompidos, envolvidos na criminalidade, sócios ou mesmo empreendedores do crime.

Não nos iludamos: o tráfico, no modelo que se firmou no Rio, é uma realidade em franco declínio e tende a se eclipsar, derrotado por sua irracionalidade econômica e sua incompatibilidade com as dinâmicas políticas e sociais predominantes, em nosso horizonte histórico. Incapaz, inclusive, de competir com as milícias, cuja competência está na disposição de não se prender, exclusivamente, a um único nicho de mercado, comercializando apenas drogas –mas as incluindo em sua carteira de negócios, quando conveniente.

O modelo do tráfico armado, sustentado em domínio territorial, é atrasado, pesado, anti-econômico: custa muito caro manter um exército, recrutar neófitos, armá-los (nada disso é necessário às milícias, posto que seus membros são policiais), mantê-los unidos e disciplinados, enfrentando revezes de todo tipo e ataques por todos os lados, vendo-se forçados a dividir ganhos com a banda podre da polícia (que atua nas milícias) e, eventualmente, com os líderes e aliados da facção. É excessivamente custoso impor-se sobre um território e uma população, sobretudo na medida que os jovens mais vulneráveis ao recrutamento comecem a vislumbrar e encontrar alternativas. Não só o velho modelo é caro, como pode ser substituído com vantagens por outro muito mais rentável e menos arriscado, adotado nos países democráticos mais avançados: a venda por delivery ou em dinâmica varejista nômade, clandestina, discreta, desarmada e pacífica. Em outras palavras, é melhor, mais fácil e lucrativo praticar o negócio das drogas ilícitas como se fosse contrabando ou pirataria do que fazer a guerra. Convenhamos, também é muito menos danoso para a sociedade, por óbvio.

Traficantes se rebelam e a cidade vai à lona. Encena-se um drama sangrento, mas ultrapassado. O canto de cisne do tráfico era esperado. Haverá outros momentos análogos, no futuro, mas a tendência declinante é inarredável. E não porque existem as UPPs, mas porque correspondem a um modelo insustentável, economicamente, assim como social e politicamente.
O tráfico que ora perde poder e capacidade de reprodução só se impôs, no Rio, no modelo territorializado e sedentário em que se estabeleceu, porque sempre contou com a sociedade da polícia, vale reiterar. Quando o tráfico de drogas no modelo territorializado atinge seu ponto histórico de inflexão e começa, gradualmente, a bater em retirada, seus sócios –as bandas podres das polícias-- prosseguem fortes, firmes, empreendedores, politicamente ambiciosos, economicamente vorazes, prontos a fixar as bandeiras milicianas de sua hegemonia.

O Jornal Nacional, nesta quinta, 25 de novembro, definiu o caos no Rio de Janeiro, salpicado de cenas de guerra e morte, pânico e desespero, como um dia histórico de vitória: o dia em que as polícias ocuparam a Vila Cruzeiro. Ou eu sofri um súbito apagão mental e me tornei um idiota contumaz e incorrigível ou os editores do JN sentiram-se autorizados a tratar milhões de telespectadores como contumazes e incorrigíveis idiotas.

Ou se começa a falar sério e levar a sério a tragédia da insegurança pública no Brasil, ou será pelo menos mais digno furtar-se a fazer coro à farsa.

Leia o artigo completo no ótimo blog do Luis Eduardo Soares: http://luizeduardosoares.blogspot.com/2010/11/crise-no-rio-e-o-pastiche-midiatico.html?spref=fb

Você conhece a cantora brasileira que cantou com o beatle Paul McCartney? Quer dizer: foi Paul quem deu canja no show dela, tá bom?!?



A paulista Izzy Gordon se apresentou na festa particular que Paul McCartney fez para sua namorada, Nancy, no hotel Grand Hyatt, onde se hospedou durante asapresentações em São Paulo.
“Foi um sonho. Quando soube que ele estava na cidade, pensei, sem pretensão: ‘Puxa, já cantei para o Bono (Vox, do U2), bem que podia cantar para o Paul’. Não sei se os anjos me atenderam, mas logo depois ligaram dizendo que fui escolhida novamente para mostrar a música brasileira a um estrangeiro muito famoso”, relata Izzy, lembrando a ocasião, em 2006, quando foi a estrela de uma festa no mesmo local durante a passagem do U2 pelo País.

Ao contrário daquela vez, em que registrou o encontro com Bono, a produção de McCartney vetou a entrada de máquinas fotográficas e até celulares. No entanto, a cantora, que é sobrinha de Dolores Duran, não perdeu a oportunidade de dar ao astro inglês seu recém-lançado CD, ‘O Que Eu Tenho Pra Dizer’.
“Ele parecia um amigo. Subiu no palco, tocou tamborim, pegou o microfone e brincou no refrão de ‘É Com Esse Que Eu Vou’ (samba que foi sucesso com Elis Regina), num jogo de pergunta e resposta comigo”, descreve.
Para ela, o sonho não acabou. Depois de Bono e Paul McCartney, Izzy já vislumbra estar ao lado de outra estrela internacional. “Gostaria de cantar com a Erykah Badu. Quem sabe, assim como aconteceu com o Paul, este desejo também se realiza?”, imagina.

Porque o importante é ter charme!