segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Salud comemora 6 anos de sucesso no Casarão Ameno Resedá!




Caros Clientes e Parceiros,

Com muito orgulho celebramos  os 6 anos de fundação da Salud-Cuidados em 27/09/2013. Gostaríamos de dividir a emoção dessa conquista com cada um de vocês que confiam em nós o cuidado de seus entes queridos e a parceria de uma lógica de trabalho baseada no gerenciamento da vida de pessoas especiais incluídas na sociedade, sendo respeitadas em suas diferenças.

São 6 anos de muito trabalho, muitos desafios e muitas conquistas. Hoje temos clientes que superaram vidas antes mais reclusas, que investiram mais em atividades de geração de renda, que nunca mais foram internados, que estão menos ansiosos. Hoje vemos uma parceria positiva deles com sua equipe de cuidadores e temos muita alegria de presenciar esse processo e mais energia para enfrentar os desafios que ainda aparecem.

Mais uma vez obrigada pela confiança em nosso trabalho!




sábado, 28 de setembro de 2013

Darin e o Oscar! Es cholu. No es serio.

"¿Por qué tengo que ir al Oscar? ¿Qué creen que ocurre ahí? Yo ya fui una vez, ya vi, no me puso muy contento y estoy acá. La fantasía que se tiene desde afuera de lo que es un ambiente… Es cholu. No es serio".

La entrevista de Alejandro Fantino a Ricardo Darín en Animales sueltos fue brillante en todos los aspectos, sobre todo, porque al clima íntimo, intimidante y profundo que sabe crear el periodista, se le agregaron las declaraciones del actor. Lo interesante, además, no fue lo que dijo, sino también cómo lo dijo.



El Darín distinto, con una mirada diferente a lo que los actores del “star system” suelen brindar, llegó cuando habló de su rechazo por los Oscars y Hollywood.

“¿Por qué tengo que ir al Oscar? ¿Qué creen que ocurre ahí? Yo ya fui una vez, ya vi, no me puso muy contento y estoy acá. La fantasía que se tiene desde afuera de lo que es un ambiente… Es cholu. No es serio. Tiene que ver con la parafernalia que rodea a una cosa que con la cosa en sí misma. Es dificilísimo actuar y pensar en otro idioma”, dijo sobre la industria cinematográfica más importante del mundo.

“A mí me ofrecieron una sola vez una cosa contundente y seria a la que le dije que no y después me empezó a joder un poco que no aceptaban el no como respuesta. Se llamaba Hombre en llamas, el director era Tony Scott. Yo estaba trabajando en España en teatro y lo único que quería era terminar la temporada para venir y estar con mi mujer y mis hijos en mi casa. ¡Me ofrecían hacer un narcotraficante mexicano! ¿Por qué? Para ellos todos los narcotraficantes son latinoamericanos. No me gustó y segundo que quería volver a mi casa”, agregó después.

Alejandro Fantino lo “corrió” por el lado de la plata, haciéndole notar que se había perdido de mucho dinero. Darín le contestó con otra pregunta, tan simple como compleja. “¿Para qué sirve? ¿Para qué?”, le preguntó a su interlocutor. “Para vivir mejor”, le dijo Fantino.

“¿Mejor de lo que yo vivo? Yo me pego dos duchas calientes por día. Me estaba yendo bien. Estaba laburando genial en el teatro. La ambición te puede llevar a un lugar muy oscuro”, afirmó. Y agregó: “Tengo un auto de alta gama y me da calor, porque es demasiado. Soy feliz cuando agarro el auto de mi hijo. Siempre encontré una mano tendida que me ayudó. Si querés más que eso es porque estás viendo otra película. Tengo mucho más de lo que necesito”.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Primeiro filme que vi nesse festival: "a fotografia oculta de Vivian Maier"! Muito bom!






A Fotografia Oculta de Vivian Maier

Livre - Festival - Legendado
Vivian Maier atravessou sua vida como uma simples babá sem filhos marido ou parentes próximos. Nos dias de hoje no entanto seu nome ostenta a reputação de uma das mais talentosas e perspicazes fotógrafas de rua dos EUA. O reconhecimento póstumo se deu graças a descoberta de um verdadeiro tesouro escondido no apartamento em que Vivian viveu até sua morte em 2009: mais de 100 mil retratos das maravilhas e peculiaridades da América urbana. Seguindo pistas espalhadas por todo os EUA o documentário desvenda os mistérios por trás dessas fotos e da própria vida de Maier. Toronto 2013.









Segundo filme que vi no festival do rio: " black fish, furia animal! "



O filme explora o que deve ter levado a orca Tilikum, de cinco toneladas, a matar três pessoas, incluindo a treinadora veterana do SeaWorld Dawn Brancheau, em 2010.

Entenda o caso:
Orca que matou treinadora volta a show do Seaworld nesta quarta
Decisão judicial distancia treinadores de orcas em parque aquático
Cinco orcas 'processam' parque aquático por escravidão

A notícia da morte de Dawn durante o show do SeaWorld em Orlando inspirou a diretora Gabriela Cowperthwaite a explorar o fato mais profundamente. Primeiro o SeaWorld afirmou que a treinadora tinha escorregado e caído, mais tarde, o parque afirmou que Tilikum tinha se assustado com o rabo de cavalo de Dawn.

“Tilikum não atacou Dawn”, disse o SeaWorld em um comunicado como resposta ao documentário. “Todas as provas indicam que Tilikum ficou interessada pela novidade que era o rabo de cavalo de Dawn. Por causa disso, ela a agarrou e a puxou para a água”.




A diretora, que já fez documentários para ESPN, National Geographic, Animal Planet, Discovery e History Channel, levou dois anos para fazer o filme. Ela obteve imagens a partir de noticiários locais e nacionais, arquivos pessoais de pessoas que estavam presentes no dia do espetáculo e também por meio do Freedom of Information Act (em inglês, Ato de Liberdade de Informação, uma lei federal americana que permite acesso a dados confidenciais do governo).


© AP
Dawn Brancheau e a orca Tilikum antes do incidente no SeaWorld
Ela também entrevistou especialistas em comportamento animal, donos de parques marinhos e vítimas de ataques de orcas durante apresentações, além de ex-treinadores do SeaWorld. "Eu comecei a aprender coisas sobre os animais que eu não sabia, e eu já estava trabalhando lá," disse a ex-treinadora de orca SeaWorld, Samantha Berg. Além disso, "Blackfish" mostra como o parque ganha seus cetáceos: uma sequência mostra mergulhadores capturando filhotes de orcas, enquanto as mães das pequenas orcas assistem a tudo gritando.

Outra ex-treinadora afirma que a observação de baleias e golfinhos em seu estado natural é uma forma maravilhosa de ver estes animais de perto sem ameaçá-los. "Se você tem dinheiro suficiente para levar a sua família a qualquer um dos parques do SeaWorld, então você também pode levar a sua família para observar baleias, orcas e golfinhos na costa”, disse Carol Ray. "Essa é uma ótima oportunidade para vê-los onde eles devem estar”.

Crítica do SeaWorld
Gabriela afirma ter procurado o SeaWorld, que tem parques em San Diego e San Antonio, além do de Orlando, para prestar um depoimento no filme. Mas a empresa se recusou a aparecer em "Blackfish", optando por emitir sua declaração de 12 de julho, na qual considerava o filme "vergonhosamente desonesto, deliberadamente enganosa e cientificamente impreciso.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Com Caetano no Gran Rex, em Buenos Aires




Nunca perdi um show de Caetano Veloso desde "Cinema Transcendental" em 1979. Ao programar minha segunda viagem a BsAs tive a grata surpresa de descobrir que exatamente no período que estaria na cidade, setembro de 2013, haveria a apresentação do show "Abraçaço" no Teatro Gran Rex. Tratei de comprar meu ingresso pela internet ainda no Brasil. Era uma tremenda sincronicidade que me deixava super feliz por voltar a BsAs, cidade que adoro e por poder ver meu ídolo cantando em terras portenhas, que ele também gosta e conhece bem. Além disso, temos também em comum o amor pela língua espanhola, e as diversas gravações de musicas nessa língua mostram o quanto Caetano a domina e curte. Suas interpretações de "Mano a Mano" e "Un Vestido y Un Amor", são definitivas!
Eu esperava que no show "Abraçaço" o publico fosse muito mais brasileiro do que argentino, como acontece nos shows de vários artistas brasileiros nos EUA, por exemplo. Estava redondamente enganada! A platéia do Gran Rex era majoritariamente portenha! O teatro estava lotado e desde os aplausos iniciais percebi que aquele seria um show para ficar na história. E foi!



Os portenhos amam Caetano. Nunca vi um publico tão vibrante e me emocionei diversas vezes com as expressões de profundo respeito e alegria demonstradas pelos fãs argentinos de Caetano. As músicas "Sampa" e "Tieta" foram cantadas inteirinhas pelo publico! Emoção indescritível para mim, que além de tudo sou baiana também!
E ninguém queria ir embora do teatro no final do show. Caetano voltou TRÊS vezes para o bis e foi aplaudido durante 25 minutos. Foi uma noite inesquecível para mim, e tenho certeza que para Caetano também!

Quadro de Latuff será leiloado por Paula Lavigne para familia de Amarildo.

domingo, 22 de setembro de 2013

Coisas que vc só irá ver em Buenos Aires:


Adquirir as obras completas de Sigmund Freud juntando cupons de jornal. A psicanalise é muito forte por aqui e existe até o bairro dos psicanalistas: Vila Freud, que faz parte de Palermo.



Varanda com vista supervalorizada para um cemiterio. No Recoleta Mall os portenhos aoram ficar na varanda curtindo o cemiterio! Cruces!!!!!

Teatro Cólon









sábado, 21 de setembro de 2013